segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Feliz Brasil Novo !

FeliFeliz Brasil Novo!

Manuela d'Avila surge como uma lufada de ar puro acima do hábito repetitivo de velhos discursos. Atrai pela serenidade e firmeza com que enfrenta o desafio de abrir um panorama novo para varrer o lixo criado pelo golpe e toda a execrável corja que, atrás de Temer, defendeu o seu preço e o seu posto no Estado devastado pela indignidade dos corruptos e pela sanha de um "cupinzeiro" que se tornou "dono dos destinos dos brasileiros".

É preciso mesmo ter muita firmeza e serenidade para, com o apoio do povo trabalhador, fazer uma faxina completa que liquide a praga imperial. Ela vem de terras que produziram destacados lutadores: Getúlio, conhecido como "pai dos pobres" e que morreu depois de nacionalizar as empresas de energia, Prestes, o "Cavaleiro da Esperança" que desvendou a vida do povo brasileiro do sul ao norte, e outros que também deram a vida pela democracia no país dos coronéis.

Sem qualquer presunção Manu conversa com profissionais respeitados que levantam problemas econômicos, sociais e políticos sem amarras às viciadas forças políticas nacionais ou internacionais; consulta essa juventude inovadora que tomou para si a tarefa de defender a educação com a valentia necessária; debate com os movimentos sindicais as questões trabalhistas e com as várias associações que combatem os preconceitos contra as mulheres, os negros, as etnias que povoam o Brasil, os que defendem a própria independência sexual, enfim, todos os que levantam a cabeça para afirmar os seus direitos de cidadãos; acompanha os trabalhos da Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo, estuda o longo caminho do MST em defesa da reforma agrária e da formação técnica e cultural dos que vivem esquecidos nos campos; visita o Maranhão tornado livre da família ex-proprietária do governo, que retardou o seu desenvolvimento agora plenamente visível; visita indústrias onde ouve as questões apresentadas pelos seus trabalhadores; enfim, estuda o Brasil a partir do conhecimento dos estudiosos e da gente brasileira que constrói de baixo para cima esta imensa riqueza natural e cultural que está sendo esbanjada pelos "vende-pátria" desonrados.

Manuela está fazendo um curso intensivo da realidade brasileira porque, como diz,  "mudar o sistema político sem debater com o povo, é golpe". Quer aprofundar o conhecimento das carências que mantêm um país, com o enorme (e cobiçado) patrimônio natural, científico e artístico, na condição de subdesenvolvimento periférico.

Esta é a base para traçar um sistema político que garanta uma política pública de desenvolvimento social e econômico. Esta é a causa que incentiva a unidade de todas as tendências de esquerda a se integrarem, dos que defendem os oprimidos contra a exploração, dos que sentem a responsabilidade por criar uma sociedade melhor para os seus filhos e netos, dos que ainda acreditam ser possível um futuro digno para os povos.

O exemplo de Cuba que, para aguentar 60 anos de bloqueio do sistema capitalista mundial e superar o atraso (imposto pelos Estados Unidos e herdado da sua condição de subdesenvolvimento para enriquecer milionários escravocratas), construiu uma nação livre e soberana onde não há analfabetismo e nem crianças com fome. A sequência da sua história inicial pode ser sintetizada nas grandes linhas no programa nacional seguido pelo governo revolucionário para criar bases do desenvolvimento democrático: 1959 - Ano da Libertação; 1960 - Ano da Reforma Agrária; 1961 - Ano da Educação; 1962 - Ano da Planificação; 1963 - Ano da Organização; 1964 - Ano da Economia.

Apesar da demolição dos setores sociais do Estado no Brasil, que com a eleição de Lula criou serviços públicos que estenderam à toda a sociedade equipamentos escolares e de centros de saúde, criando empregos e distribuindo Bolsas Família, a situação nacional aqui tem muito menos problemas que Cuba enfrentou. Pelo menos neste ano de eleições.

Se o povo escolher quem merece a sua participação entusiástica na retomada da democracia, um novo Brasil poderá ser construído.

Zillah Branco Brasil Novo!

Manuela d'Avila surge como uma lufada de ar puro acima do hábito repetitivo de velhos discursos. Atrai pela serenidade e firmeza com que enfrenta o desafio de abrir um panorama novo para varrer o lixo criado pelo golpe e toda a execrável corja que, atrás de Temer, defendeu o seu preço e o seu posto no Estado devastado pela indignidade dos corruptos e pela sanha de um "cupinzeiro" que se tornou "dono dos destinos dos brasileiros".

É preciso mesmo ter muita firmeza e serenidade para, com o apoio do povo trabalhador, fazer uma faxina completa que liquide a praga imperial. Ela vem de terras que produziram destacados lutadores: Getúlio, conhecido como "pai dos pobres" e que morreu depois de nacionalizar as empresas de energia, Prestes, o "Cavaleiro da Esperança" que desvendou a vida do povo brasileiro do sul ao norte, e outros que também deram a vida pela democracia no país dos coronéis.

Sem qualquer presunção Manu conversa com profissionais respeitados que levantam problemas econômicos, sociais e políticos sem amarras às viciadas forças políticas nacionais ou internacionais; consulta essa juventude inovadora que tomou para si a tarefa de defender a educação com a valentia necessária; debate com os movimentos sindicais as questões trabalhistas e com as várias associações que combatem os preconceitos contra as mulheres, os negros, as etnias que povoam o Brasil, os que defendem a própria independência sexual, enfim, todos os que levantam a cabeça para afirmar os seus direitos de cidadãos; acompanha os trabalhos da Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo, estuda o longo caminho do MST em defesa da reforma agrária e da formação técnica e cultural dos que vivem esquecidos nos campos; visita o Maranhão tornado livre da família ex-proprietária do governo, que retardou o seu desenvolvimento agora plenamente visível; visita indústrias onde ouve as questões apresentadas pelos seus trabalhadores; enfim, estuda o Brasil a partir do conhecimento dos estudiosos e da gente brasileira que constrói de baixo para cima esta imensa riqueza natural e cultural que está sendo esbanjada pelos "vende-pátria" desonrados.

Manuela está fazendo um curso intensivo da realidade brasileira porque, como diz,  "mudar o sistema político sem debater com o povo, é golpe". Quer aprofundar o conhecimento das carências que mantêm um país, com o enorme (e cobiçado) patrimônio natural, científico e artístico, na condição de subdesenvolvimento periférico.

Esta é a base para traçar um sistema político que garanta uma política pública de desenvolvimento social e econômico. Esta é a causa que incentiva a unidade de todas as tendências de esquerda a se integrarem, dos que defendem os oprimidos contra a exploração, dos que sentem a responsabilidade por criar uma sociedade melhor para os seus filhos e netos, dos que ainda acreditam ser possível um futuro digno para os povos.

O exemplo de Cuba que, para aguentar 60 anos de bloqueio do sistema capitalista mundial e superar o atraso (imposto pelos Estados Unidos e herdado da sua condição de subdesenvolvimento para enriquecer milionários escravocratas), construiu uma nação livre e soberana onde não há analfabetismo e nem crianças com fome. A sequência da sua história inicial pode ser sintetizada nas grandes linhas no programa nacional seguido pelo governo revolucionário para criar bases do desenvolvimento democrático: 1959 - Ano da Libertação; 1960 - Ano da Reforma Agrária; 1961 - Ano da Educação; 1962 - Ano da Planificação; 1963 - Ano da Organização; 1964 - Ano da Economia.

Apesar da demolição dos setores sociais do Estado no Brasil, que com a eleição de Lula criou serviços públicos que estenderam à toda a sociedade equipamentos escolares e de centros de saúde, criando empregos e distribuindo Bolsas Família, a situação nacional aqui tem muito menos problemas que Cuba enfrentou. Pelo menos neste ano de eleições.

Se o povo escolher quem merece a sua participação entusiástica na retomada da democracia, um novo Brasil poderá ser construído.

Zillah Branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário