quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Heróis/Bandidos




A história da humanidade passa por fases que acrescentam, vagarosamente expandidas, conquistas pessoais dos indivíduos que fortuitamente puderam conjugar a percepção sentimental e racional às condições de realização de actos de efeito social. Assim, foi fruto de uma época denominada do "romantismo", a figura de Robin Hood (que teria vivido no século XII e descrito como herói mítico na Inglaterra em meados do século XIX) como o esperto rebelde de uma classe poderosa que "roubava para dar aos pobres".

A comunicação social, ha quase dois séculos, divulga e promove este modelo, adaptando a sua imagem às modas mais prestigiadas nas sociedades modernas. Dessa maneira a cultura social do sistema capitalista mundial elogia a "coragem individual de quem contraria os princípios que fundamentam a estrutura jurídica institucional, para proteger os cidadãos marginalizados na sociedade".

É de notar o fomento do "individualismo" e da "protecção caridosa" dos "heróis defensores" dos que constituem os "marginais" da sociedade, ao contrário dos conceitos de "solidariedade humana e social" que justificam o "valor ético da luta colectiva em defesa dos direitos democráticos de uma classe social explorada por uma elite financeira politicamente poderosa".

Com as várias crises, próprias ao desenvolvimento do sistema capitalista como previsto por Marx e economistas de diversas tendências teóricas, e com as crescentes conquistas no âmbito da democracia e da justiça social alcançadas pelos trabalhadores unidos em sindicatos, no segundo milénio surgem alterações na forma de imposição do domínio imperialista no moderno processo de "colonização" de nações menos desenvolvidas por aquelas que participam da elite do poder financeiro e militar. Aos poucos desvenda-se a "utilidade do individualismo" para uma afirmação do poder elitista contra a realidade em que sobrevivem os povos.

Os habituais "golpes" para derrubar governos que, de alguma maneira defendem a soberania das suas nações frente às exigências dos "donos do mundo", dão-se através da corrupção de agentes destacados dentro da estrutura dos Estados e da formação mental de membros do sistema judicial, militar, policial. São os agentes golpistas que se sobrepõem aos seus colegas profissionais, com capacidade financeira e política vindas do exterior para anular critérios democráticos instituídos e adotarem medidas de exceção. Dessa forma, aparentemente legal, validam um efectivo golpe sobre os governantes que recusam as formas de corrupção oferecidas para atraiçoar a pátria. Evitam a violência das  anteriores acções armadas dirigidas pelas forças armadas do país visado.

Na América Latina, onde depois da chamada "década perdida" em que as economias nacionais foram destruídas pelo neo-liberalismo introduzido por Pinochet no Chile e pela acção do FMI nos demais países "em desenvolvimento", desencadeou-se um movimento de classe média com objectivo nacionalista mas também de unidade continental. Sob a liderança da Venezuela com Chaves e o exemplo de Cuba socialista, vários governos progressistas enfrentaram a oposição de direita para afirmar a soberania das suas nações perante o mercado e as pressões políticas e midiáticas imperiais, desenvolvendo um Estado Social para melhor distribuir a riqueza e combatendo as discriminações derivadas de um poder oligárquico escravista herdeiro do período colonialista no século XVI.

A fase das ditaduras militares que culminaram com o assassinato de Allende no Chile,  deixando um saldo de chacinas e prisões políticas em todos os países latino-americanos, transitou para o Oriente Médio e Africa em busca de petróleo e minérios de alto valor, na promoção das chamadas "Primaveras" resultante das invasões pela OTAN e consequentes assassínios de governantes que resistiram à corrupção. A tarefa destruidora ficou a cargo do "terrorismo" abastecido em armas por Israel e Estados Unidos, evitando comprometer directamente as Forças Armadas nacionais.

Combatido internacionalmente, o "terrorismo" (atribuído aos grupos com denominações árabes, treinamento e armas imperialistas) e fortalecida a participação social na América Latina, a pretexto de salvar o sistema capitalista das crises que minaram os governos ricos, voltaram-se contra os frágeis governos democráticos e progressistas com um novo modelo de golpe "legalizado" mediante farta corrupção. No Brasil Michel Temer e seus seguidores baixaram a cabeça a preços variáveis e minaram o sistema judicial e policial para destroçarem as instituições sociais e, por seu lado, agradarem aos poderes internacionais que os apoia, vendendo ao desbarato as riquezas nacionais.

Em outros países foram colocados, com apoio midiático (na função de ponta-de-lança dos invasores) expoentes milionários, tal como Trump nos Estados Unidos, cumpridores de ordens do poder financeiro mundial. Estes figurantes, se o movimento de massas manifesta a sua força reivindicativa, vestem a fantasia de Robin Hood e passam a distribuir esmolas aos pobres, carinhos às crianças, beijocas às velhinhas, caçarolas às "madames". E vendem a pátria às fatias na feira internacional. Circulam pelo mundo como caixeiros viajantes das industrias de armas, químicos e farmacêuticas, repetindo ameaças de um poder militar mítico com frases desconexas de baixo QI que desperta sorrisos dúbios nos interlocutores.

Na Europa, onde o Estado tem tradição milenar com feição social, a dança é outra. Levam à cadeia ex-governantes (como o ex-primeiro ministro Sócrates, em Portugal, e alguns outros destacados políticos acusados como corruptos com abuso de poder) e aplicam multas bilionárias ao banqueiro Salgado (do centenário Banco Espirito Santo) pelas fraudes fiscais e outras, em processos que não terminam nunca e dão matérias para manter a mídia ocupada em confundir os espectadores e leitores dos jornais e livros, enquanto desmoralizam, aos olhos do povo que exige justiça, as instituições judiciais, militares e policiais que resistem à dissolução moral que, entretanto, vai "comendo pela borda" políticos e agentes administrativos incautos.

De modo geral esta "virose corruptora" não respeita fronteiras. Basta ver a lista de ilustres personalidades que, para fugir ao fisco, colocam as suas reservas financeiras nos "paraísos fiscais", como reis e rainhas (do Império Britânico, por exemplo) que passam por respeitáveis e são sustentados pelos contribuintes que mal têm o salário mínimo para escapar à marginalidade social.

Os noticiários sobre crimes (que alternam as notícias dominantes dos grandes clubes de futebol e grandes "shows" de altos sons, cores e roupas caras, como se a realidade do dia a dia fosse assunto só para os pobres) revelam que os mais pobres vão para a cadeia e os ricos para as suas mansões com direito a múltiplas entrevistas (sempre em feição de Robin Hood) e promoção das suas pretensas qualidades, como vítimas do Estado que ameaça todo e qualquer bandido, como se um milionário pudesse ser um "qualquer". Herói-bandido vá lá.

Zillah Branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário